Avançar para o conteúdo principal

Os vários tipos de pessoas no trânsito


Morar a 20 quilómetros do meu local de trabalho obriga-me a ter caro. Infelizmente, ainda não tive a oportunidade de comprar um. Ando com o da minha madre, que, felizmente, mo pôde emprestar, e que espero num futuro próximo poder comprar-lhe (com desconto de família, claro heheh).
Por isso, agora, todos os dias, estou entre 30 a 50 minutos no trânsito, o que me deu tempo e experiência para constatar os vários tipos de condutores que existem.

 - O Perdido: Aquela pessoa que claramente não sabe o caminho para o seu destino e ora faz pisca e não vira, ora abranda bastante sempre que se aproxima uma placa com direções, ora vira de forma bruscamente.

- A Serpente: Aquela pessoa que anda aos zigue-zagues, a ultrapassar tanto pela esquerda, como pela direita a uma velocidade estonteante, e que ainda se encosta na nossa traseira a fazer pressão para andarmos a 264km dentro numa localidade.

- O Stressado: Aquela pessoa que perante uma fila de trânsito causada pelas obras se mete a apitar desalmadamente, a gesticular que nem um louco e a rugir uns palavrões, como se isso fosse magicamente fazer com que a fila comece a andar. Não vai. Acalme-se...

- O Caracol: O ponteiro do velocímetro não ultrapassa os 40 km por hora. Nunca. 

- O Apagão: Aquele que nunca usa piscas e que só acende as luzes quando é meia noite e já não vê um palmo à frente do nariz.

- O Distraído: O semáforo passa a verde, e o carro continua parado... durante tanto tempo, que o semáforo volta a mudar para vermelho.

- O Fumarento: Aquele carro tão velho e desgastado, que um fumo negro do tubo de escape, vindo das profundezas do inferno. Aposto que nunca foram a uma revisão na via.

Acrescentavam mais algum tipo de condutor à lista?

Comentários

  1. Não tenho pachorra para os stressados e muito menos para o apagão...

    ResponderEliminar
  2. Há com cada cromo no transito... =P


    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Bem ou sou uma mulher estranha, impaciente, mas não de buzinar, strexo muito mas não passa disso e comigo mesmo dentro do carro.
    Sofro do síndrome do apagão, piscas não é para mim, mas luzes é.
    Não conhecia o teu blog, segui e fiquei fã.
    Beijinhos
    https://a-carlota.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Acho que disseste os mais frequentes!
    Ai o que não passa dos 40...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

15 vs 25

Uma das maiores diferenças que se nota entre ter 15 e 25 anos é nas compras, principalmente quando se tem uma casa para gerir. Antes, quando pensava em "compras" vinha à cabeça sapatos, malas, bijutaria, livros, material escolar e eventualmente coisinhas fofas para decorar o quarto.
Agora não... É detergente para a loiça, cebolas, guardanapos, courgettes... Deliro quando vejo arroz basmati em promoção! E a etiqueta vermelha do Jumbo a indicar que o queijo fresco de cabra está a acabar o prazo e por isso está a metade do preço?? Divinal!
Agora a preocupação é arranjar umas capas para os sofás em que não se note os pelos dos gatos.

Verdade seja dita que também nunca fui muito dada a compras de roupa. Sempre preferi decoração.

Aquela idade

Neste momento tenho vinte e cinco anos. Aquela transição entre os vinte e os trinta. Aquele marco da vida adulta em que já é suposto termos a vida minimamente organizada, com casamento e filhos já a caminho, ou pelo menos já nos planos, um vida profissional estável, uma casa para cuidar. Ou pelo menos era o que seria esperado há uns anos atrás. Mas em pleno século XXI as coisas estão diferentes. Os filhos ficam até cada vez mais tarde em casa dos pais, a estabilidade é muito precária, as relações são cada vez mais descartáveis. Somos bombardeados todos os dias com tanta informação, tantos ideias, tantas perspectivas, que nos perdemos no mundo, sem saber para que lado nos devemos concentrar. Vejo cada vez mais a perda de identidade pela "obrigação" de seguirmos modas fugazes,para nos inserirmos na sociedade e sermos aceites, o que nos torna todos iguais.

Felizmente, com vinte e cinco anos já iniciei a minha carreira, que por agora está correr bastante bem e que adoro com tod…